3 de julho de 2011

Atitudes libertadoras


Desde a infância, através de experiências afetivas e cognitivas, a criança vai construindo conceitos sobre si, a vida, o mundo e as relações sociais. Essas informações captadas num momento de descoberta e formação da própria identidade são tomadas pela criança como verdades que muitas vezes a acompanharão por toda a vida. A personalidade vai, então, sendo estruturada e padrões de comportamentos vão sendo estabelecidos. Todo este processo determina a postura que a pessoa adotará diante da vida, incluindo a forma de se relacionar e de reagir às dificuldades encontradas.
Ocorre que experiências negativas vividas na infância podem gerar conceitos distorcidos, provocando conflitos de auto-estima, dificuldades no relacionamento interpessoal e desesperança em relação ao futuro, favorecendo a formação de quadros depressivos.
Já se sabe que pensamentos e emoções são capazes de alterar a atividade celular de forma positiva ou negativa, levando à saúde ou à doença, respectivamente, deixando clara a participação do deprimido na construção de seu quadro, assim como na superação do mesmo.
Gasta-se tempo e dinheiro tentando tratar a depressão de forma passiva, como se o paciente fosse um simples hospedeiro da doença, vítima da vida e não o causador de sua enfermidade. Isso pode ser constatado pelo alto índice de recorrência da doença, observado apesar dos tratamentos farmacológicos e psicoterápicos.
É necessário que a pessoa com depressão compreenda que é responsável pela própria felicidade e que a forma como tem entendido a vida e reagido a ela tem gerado sua angústia, seu desânimo e sua tristeza. O Transtorno Depressivo é antes de tudo um convite a mudanças internas, isto é, a alterações na postura diante da vida.
A ligação existente entre a depressão e a forma de ver e sentir a vida fica ainda mais evidente quando se observa os quatro fatores causais encontrados com maior freqüência na base dos quadros depressivos de origem psicológica:

RAIVA
Origens: intolerância às frustrações.
Comportamentos: mágoa; ressentimento; vitimismo; revolta contra as circunstâncias da vida; culpa; ...
Atitudes Libertadoras: tolerância; perdão; auto-perdão; assumir a responsabilidade pela própria vida; manifestação da raiva através da fala, do esporte ou de exercícios de expressão; colocar-se no lugar do outro, resignação.

CULPA
Origens: atitudes infelizes que geram arrependimento; educação com rigidez, críticas ou elevada expectativa dos pais; conflitos gerados por conceitos religiosos.
Comportamentos: intolerância; perfeccionismo; rigidez; alto nível de exigência consigo e com os outros; auto-punição; moralismo; auto-compaixão; baixa auto-estima; ...
Atitudes Libertadoras: auto-perdão; revisão de conceitos aprendidos; reparação; compreensão da própria condição de aprendiz; tolerância; flexibilidade; auto-aceitação.

SENTIMENTO DE PERDA
Origens: perda de objetos, pessoas ou situações que sustentavam a auto-estima; perda da autonomia, da identidade, do sentido existencial ou de afeto; ...
Comportamentos: raiva; sensação de desamparo e incapacidade; sentimento de rejeição; vazio existencial; ...
Atitudes Libertadoras: adaptação; desenvolvimento da autonomia; autoconfiança; resignação.

COGNIÇÕES NEGATIVAS
Origens: construção de conceitos negativos sobre si, o mundo e o futuro a partir das experiências vividas na infância.
Comportamentos: pessimismo; desesperança; sentimento de desamparo; baixa auto-estima (sentimentos de inadequação, rejeição, incapacidade de dar e receber amor, incompetência, auto-desvalorização); ...
Atitudes Libertadoras: revisão de conceitos aprendidos; busca de novas referências; pensamento positivo; auto-aceitação; auto-perdão; perdão; doar-se.

Torna-se imprescindível associar a reforma íntima aos tratamentos médicos e psicológicos. É necessário rever conceitos, atitudes, valores, sentimentos e pensamentos para que se reduzam os riscos de retorno ao quadro.

2 comentários:

  1. É realmente importante a participação do paciente no processo de recuperação. Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Zenaide Lopes Moroz24 de maio de 2012 09:29

    Os temas abordados são úteis para professores, pais que se encontram "perdidos" frente a situações do cotidiano.

    ResponderExcluir